Domingo, 8 de Abril de 2012

Publicação Final

Informamos que já se encontra divulgada a publicação final do VI Prémio de Poesia em Rede - Poemas de Intervenção.

 

Os poemas concorrentes podem ser vistos aqui e na Publicação Final

publicado por poesiaemrede às 03:31
link do poema | comentar | favorito
Domingo, 1 de Abril de 2012

(45) Manifesto

Manifesto
                     À Pátria podre

Sentado o Homem pensa.
O Tempo, lento, passa.
Nas pressas que o mundo traça
Refugia-se do abismo sem licença.

Revolta por dentro dói, intensa,
É parasita da alma, ameaça.
Luta interna que nos enlaça
A este sobreviver de sentença.

O Homem sentado que se levante
Concretize seu pensar como outrora.
Pensamento inusitado, mirabolante,

Que molda o intento, como espora,
Com coragem inata de viajante
Luta avante, sem mais demora!

                 
            Verónica Simão

publicado por poesiaemrede às 03:59
link do poema | comentar | favorito

(44) A miséria que ninguém quer ver.

A miséria que ninguém quer ver.

 

Como podemos encontrar a felicidade,

Quando mesmo ao nosso lado está a miséria.
Dizemos que temos pena, quando os vemos na televisão,
Aparece uma lágrima, que é bom cristão
Mas não passa de cinismo disfarçado de pena.

Vemos um pobre, damos uma esmolinha

“mas que pobre alminha…”
Chega para não morrer de fome
mas pouco come,
O pobre da esmola.

E sentimo-nos bem, com a boa acção,

Mas não passa de exibicionismo,
Apenas cinismo.
Porque ele está na noite ao relento
Enquanto nós, muito bem com o aquecimento.

Chegam notícias de violação,
De tanta maldade e de exploração,
“ai que pobres criancinhas.”
Mas ninguém quer saber daquelas vidinhas,
Porque é só para os entreter
Essa miséria que ninguém quer ver

 

 

 

Filipe Magalhães Alves

publicado por poesiaemrede às 03:57
link do poema | comentar | favorito

(43) POETA DO MAR ONDULANTE

POETA DO MAR  ONDULANTE

 

Poeta!... que escreveste a maresia

Nas ondas da vida…

Escutando o mar que bramia

Em ondas perfumadas de poesia

Nas estrelas iluminadas

Qual fanal radiante de luz

Guiando o timoneiro…

Enamorado das marés…

Conduziste a Barca do Amor

Percorrendo o vasto oceano

Dum coração humano prisioneiro

Que te fez marinheiro

Na sua vastidão…

Coração batendo no peito

Qual onda que bate em amor  perfeito!

Com anseios de liberdade

Ir além do horizonte visual

Que a vista alcança

Num mar de imensidão!

Ah! Coração! Coração!

Que cantas nessa batida

Os poemas da Vida!

Na pauta musical

Que um dia ao sabor das marés

Nos vem sempre lembrar que és

Nesse vai-vem constante da maresia

Na vida de cada dia…

O Poeta Imortal!

publicado por poesiaemrede às 03:55
link do poema | comentar | favorito
Sábado, 31 de Março de 2012

(42) Longos sorvos de tempo (PT – BR)

Longos sorvos de tempo (PT – BR)

 

 

Bebo um pouco do instante

Até que dure o momento

Não obstante os traços

De um mundo lagarta

Que para pior metamorfoseia-se

 

Posso agir, de qual maneira?

Se engulo rápido o tempo

Sem pensar no ato – se é belo ou feio?

 

Posso agir, de qual maneira?

 

Tenho ideia

Fecharei os lábios para a conveniência

Agora só bebo meritório instante

 

E dou mais flores para o mundo lagarta

Quero ver se vira borboleta.

 

 

--------------------------

 

Poema de João Gonçalves

 

País: Brasil

publicado por poesiaemrede às 02:49
link do poema | comentar | favorito

(41) Desgraça, grande malvada!

Desgraça, grande malvada!

 

 

Óh desgraça, grande malvada

de beleza e ternura vazia

Óh desgraça tão pura e enraízada

no coração da maioria.

 

Ouve a minha voz, óh desgraça

que ela tem dor e tormento

vai-te embora com a tua graça

vai-te, que te carregue o vento.

 

Mas tu não vais e bates à porta

com os teus versos carregados

deixas sem força, quase morta

uma nação de desterrados.

 

 

 

Isabel Santos

publicado por poesiaemrede às 02:47
link do poema | comentar | favorito

(40) A voz da sociedade

A voz da sociedade

 

A sociedade existe abafada,

A sociedade permanece calada.

Nada se consegue fazer ouvir,

Nada se faz para o bem surgir.

 

Vemos seres despejados nas ruas,

Vemos na multidão um olhar de amarguras,

Amarguras de um poder mal usado,

Amarguras de um país castigado.

 

Perante esta imunda desordem,

Temos de dar as mãos aos que colhem,

Aos jovens que colhem justiça,

Aos desempregados que colhem oportunidades,

A todos nós que abafaremos quaisquer maldades.

 

Lutemos para que a nossa voz não se cale,

Lutemos para que sobre direitos a nossa voz fale.

A voz da multidão não se pode abafar,

Pois um melhor Portugal todos vão aclamar!

 

 

 

Susana Ferreira

publicado por poesiaemrede às 02:45
link do poema | comentar | favorito
Quinta-feira, 29 de Março de 2012

(39) O Segredo das Palavras

Poema: O Segredo das Palavras.
 

Sou guerreiro sem espada
No campo de batalha abandonado
Onde o pássaro canta a liberdade
De um descanso há tanto esperado.

Ergo-me exausto e confuso
Desorientado pela névoa que me abraça
A um passo desse titânico muro
Que toda a minha alma trespassa.

 

Mas com garra enfrento e luto
Para derrubar este amargo fruto
Que em mim repousa e mora.

E como campainha que me desperta
Cai então miudinha a chuva
Agora sim, está na hora!

 
 
Autor: Eurico Manuel Soares Pereira

publicado por poesiaemrede às 20:31
link do poema | comentar | favorito

(38) Nada

Nada

Nada me dizes
Espero um sinal
Um momento
Uma resposta

Não devo valer tal acto
De facto não o mereço

As musas são deusas
E as deusas estão distantes

Os grandes heróis as afagam
Mas não as tocam
Não as mudam

Os grandes poetas com elas se deitam
Sonhando embriagados

Os grandes músicos fazem-nas dançar
Mas não as abraçam

Os grandes pintores as pintam
Mas raramente as avistam

Eu sou pequeno demais
Nem te conheço
Nem sei qual das musas és tu
Aguardo o sonho
De acordar contigo

 

 

 

Licínio Neto

publicado por poesiaemrede às 20:28
link do poema | comentar | favorito
Quarta-feira, 28 de Março de 2012

(37) FORCA POÉTICA

FORCA POÉTICA

 

Poesia de intervenção

Tem de ser interventiva,

A pena tem de ser bastão

Para ser punitiva!

 

Poesia a intervir,

A castigar, certamente

Não será para ouvir

Que quem manda é inocente.

 

Se quem manda é culpado

E o mandado inocente

Alguém tem de ser castigado:

 

Corruptos e incompetentes

Na poesia são enforcados

Por povos, pobres indigentes!

…………….XXXXXXX………….

Autor: Carrasco

publicado por poesiaemrede às 01:44
link do poema | comentar | favorito

(36) Portugal

Portugal

Localizado no belo extremo da Europa

Rodeado de mar e de rios navegáveis

Onde impera o fado e este grito de revolta

Por culpa destas condições tão instáveis

 

Por aqui o futuro tornou-se incerto

Não revelando o que o amanhã nos trará

Vou assistindo a tudo tão de perto

Ao abismo a que esta política nos levará

 

Até estudar é um dilema

Ficando os alunos sem saber como pensar

Sem saber se vale a pena

Lutar para um melhor futuro alcançar

 

Quem não tem dinheiro

Não estuda porque há necessidade

Ficando por concretizar o sonho verdadeiro

Pois ninguém vive do ar estando numa Universidade

 

Já nem a cultura lhes importa

Tal é a mentalidade capitalista

Agora que temos o FMI a tocar à porta

Mentalidade que nunca se revelou realista

 

Perdeu-se também o sentido de uma revolução

Estamos todos apáticos e sem vontade

A riqueza nunca se revelou tanto uma ilusão

Todos os sonhos estão esquecidos por necessidade.

publicado por poesiaemrede às 01:41
link do poema | comentar | favorito
Sexta-feira, 23 de Março de 2012

(35) Globalização fraterna

Globalização fraterna

 

Eu acredito em ti.

A sério, senão não te apelava tanto.

Aceitas-me?

Sim, eu sei que sou diferente.

Tenho genes diferentes,

Experiências diferentes,

Um pensar diferente

E o meu espírito é único.

Mas tu és meu semelhante…

Provimos do mesmo éter que nos bafejou com a vida

E partilhamos uma missão comum:

A humanidade!

Por isso acredito em ti.

Não me magoes por não ser como tu desejas

Não me recrimines nem segregues,

Em prol de valores que não são os teus

Mas os de um outro alguém que tos impôs.

Abraça a diversidade de existências

Deixa-as coexistir numa colorida harmonia.

 

A maioria não é a totalidade

Sou como tu, mas não busco a igualdade.

Dá-me do teu espaço que necessito para ser eu,

Não me obrigues a seguir um caminho que não é o meu

Por muito que esse trilho esteja já decalcado

O meu destino não foi pelos outros traçado.

Para crescer em liberdade preciso de ti

No teu braço deixa-me ser pelo que seja que nasci.

E tu…acredita em mim.

A sério, senão não te apelava tanto.

 

Arine Malheiro

publicado por poesiaemrede às 20:22
link do poema | comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Março de 2012

(34) 18.02, tarde.

18.02, tarde.

 

 

Acordas de madrugada

Para ver o teu sonho partir.

Gritas, com a voz soterrada,

Que o mundo acabou de ruir.

 

Rompem, lá fora, nas ruas,

Almas que choram de dor.

Perdidas, pálidas, nuas,

Tremem com falta de amor.

 

E as palavras desertas

Chovem como facas no rosto

Enquanto consciências despertas

Querem o regime deposto.

 

Ficas escondida no escuro,

Reclamas a solidão.

Tens à tua frente o futuro,

O destino da Terra na mão.

 

 

Isabel Teles de Menezes

publicado por poesiaemrede às 01:21
link do poema | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Março de 2012

(33) livro de reclamações

livro de reclamações

 

não, não é uma ilusão.

é um pequeno poema

d’alguma intervenção,

escrito sob um lema:

“povo que alto grita

é gente aflita a lutar”.

 

diz pois o pescador

em alto e bom som

tolhido por essa dor

que desvanece o dom:

“da faina vem o pão

e uma mão para curar”.

 

exclama o agricultor

com o suor a escorrer

e a face com o rubor

q’a manhã viu nascer:

“a minha guerra

é a terra por arar”.

 

… e a uma só voz,

com o que temos de bom,

reivindicamos nós

sempre dentro do tom:

“somos gente tenaz

incapaz de se vergar”.

 

dm

publicado por poesiaemrede às 00:54
link do poema | comentar | favorito
Quinta-feira, 15 de Março de 2012

(32) NO MEU RIO IMAGINÁRIO

NO MEU RIO IMAGINÁRIO

 

No caudal no meu rio do canal

Deslizam tantas águas cristalinas

Na corrente impetuosa, torrencial

Cintilando para o mar pela campinas

 

Há nas vegetações dos canaviais

Os sons das rãs, sapos, melros a cantar

E mesmo as andorinhas nos beirais

Acompanham os pardais a chilrear

 

Vejo o sol a romper ao horizonte

No cimo das cordilheiras da serra

Já cheira a rosmaninho lá no monte

Em baixo o mar azul, espreita a terra

 

Mas eis meu contraste, diversidade

No canal da minha terra não há rio

Já secou o ribeirinho de saudade

A onde minha mãe lavava ao frio

 

As fontes do canal! Talvez sem águas?

Na nostálgica saudade sinto mágoas

Ali naquele imenso ermo solitário

 

No sonho de quimeras e esplendores

Desliza o meu mundo de primores

Na corrente do meu rio imaginário

 

Aulnay, Março2012

 

publicado por poesiaemrede às 23:36
link do poema | comentar | favorito

(31) Tubarões

Tubarões

 

Se eu fosse o outro peixe desmedido
Que Aquele Homem pregava no Sermão,
Seria não servente mas servido
Por quem me atraiçoa, usurpa o pão.

Ai se eu não fosse o peixe comedido
Que trabalha sol a sol, servidão,
Arrancava-te o dito, o prometido,
Noutros tempos…aqueles de eleição!

É nesta ira, na raiva que me invade,
Que eu desanimo e quase me enfraqueço,
Perco o corpo, o meu suor e a vontade

De dar a tubarões usurpadores
O pão que me pertence, que mereço,
E que fica na mão desses senhores.

 

Manuela Ferreira

publicado por poesiaemrede às 23:33
link do poema | comentar | favorito

(30) Abril

Chegou a liberdade, chegou abril

já se calou o das águas mil

Chegou abril, o da revolução

Acabou por fim a exploração

 

Chegou o maio em flor

O maio maior, o do amor

Maio das lutas, maio do povo

era a alegria que voltava de novo.

 

Chegou Março e o Setembro

Nas ruas, bandeiras ao ar

era tempo do povo lutar

 

Chegou negro o novembro

falou solene do velho abril

falou do abril das águas mil………

 

ZeRu+

 

publicado por poesiaemrede às 23:31
link do poema | comentar | favorito

(29) Da lusa gente (ou fazer acontecer)

Da lusa gente (ou fazer acontecer)

 

Que mar acossado me fez marinheiro,

Se, zarpei de mim para me achar naufrago,

Na ponta do meu desassossego?

 

A que ilha ou chão de futuro aportei,

Se, me perdi nos abismos da minha solidão,

A gritar a revolta do meu descontentamento?

 

Onde arroteei planuras e construi auroras,

Quem me traiu o sonho de velas pandas

E derrubou o mastro onde desfraldei minha bandeira?

 

Quem, pela calada da noite, se fez ladrão e algoz

E, sangrou meu sangue resoluto de ir além,

Segando meus passos e submetendo meus poemas?

 

Eremita de mim, em mim me sinto nauta e profeta,

Peregrino que o infinito chama e o amanhã requer,

Não me travam ladainhas de artimanha abjecta!

 

Eu sou da lusa gente que, ousa porfiar e a aridez vencer,

Para chegar onde só chega aquele que define a própria meta,

Onde acontece o sonho de quem se faz acontecer.

 

 

Pseudónimo do Autor: PC – Paulo César

 

publicado por poesiaemrede às 00:48
link do poema | comentar | favorito

(28) Doença

Doença

 

“O papado doentil, febril e insosso.
Nem sei se insosso.
Domina tudo.
Mas eu não me deixo dominar por ele.

Controla uma igreja que, para os de estreita visão,
Estreita largura pontífice.
Mas que na sociedade,
Sustenta uma nomenclatura exacerbada. 

A nomenclatura doentia do capitalismo.
Do exorcismo,
DO CATOLICISMO.

Há quem diga que ele é o cristo em terra.
Mas que horror.
Ele, de nada é, nosso salvador.”

--
Bruno Jemnecki dos Santos

publicado por poesiaemrede às 00:39
link do poema | comentar | favorito
Terça-feira, 13 de Março de 2012

(27) PORTUGAL IMIGRANTE

PORTUGAL IMIGRANTE

 

As paredes dos prédios onde estamos

São pintados com tinta aditivada

Com o suor e a dor dos africanos,

Brasileiros e da Europa libertada.

 

São Guiguis, Santolas, Nhouces, Mangolés,

Moçás, Brasucas, antes eram todos portugueses,

Os Tugas do Serviço de Fronteiras: Quem És?

Estrangeiro todas as vezes!

 

Depois, concentras-te no Rossio,

Teatro D. Maria, Praça da Figueira,

Tua mulher habitua-se ao frio

E já vende peixe na Praça da Ribeira.

 

Tens condomínio fechado na Jamaica,

Pedreira dos Húngaros, Cova da Moura,

Não tens direito a formação ou baixa,

Se adoeces, nenhum hospital te cura.

 

Queres casa, mas o Banco não empresta,

Falta contrato de trabalho assinado,

O patrão explora-te enquanto lhe interessa,

Depois sem subsídio, estás desempregado.

 

Teus filhos, embora, naturais

De Portugal, mas isso não chega,

Para que legalizem os seus Pais,

Só te resta então…mais tristeza.

 

 

José Manuel da Cruz Vaz Jacinto

publicado por poesiaemrede às 00:25
link do poema | comentar | favorito
Sábado, 10 de Março de 2012

(26) “Quando perdemos alguém que nos ensinou a viver”

“Quando perdemos alguém que nos ensinou a viver”

                   

 

A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios

Na vida temos de tudo

Desde as pessoas que adoramos até as que não gostamos

Na vida morrem uns e nascem outros.

Perdemos os que mais gostamos

O mais injusto da vida é como ela termina….

 

Cada dia em que me levanto penso que  é mais um dia sem a

presença de alguém muito especial.

Esse alguém que me fazia sorrir , que me ajudou  crescer que

me ensinou a  saber ser feliz  , fez-me ver o mundo de uma forma diferente …

Mas  que agora  esse alguém  olha por mim ...

 

Num dia de sol brilhante acordei

e o sol  escondeu-se , nesse dia para mim era como

o mundo  termina-se naquele momento …

Fechei as cortinas e não queria acreditar no que

me tinha acontecido , nesse dia queria querer

que  tinha tido um pesadelo…

Naquele momento e ainda hoje tenho a certeza

que a vida é mesmo muito injusta  …

 

 

 

autora: Carolina Madeira

publicado por poesiaemrede às 02:25
link do poema | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 7 de Março de 2012

(25) ANO 2012

ANO 2012

Iniciamos no mês  primeiro

Do novo ano que entrou

Que começa agora em Janeiro

Igual ao mês de Dezembro

Do ano que acabou

Com a certeza do incerto

Sendo o incerto uma certeza

De que cada vez estamos mais perto

Da certeza da nossa pobreza

 

As negras nuvens do ano que passou

Escureceram as vãs esperanças dos que acreditaram

Nas falsas promessas daqueles que se passearam

Por entre hortas, pomares, feiras e lotas

Criticaram o que outros fizeram

E fizeram de todo um povo um bando de idiotas

Não admira, falaram a língua dos pobres, ricos e agiotas

Estes, são os verdadeiros poliglotas

 

Mas creio profundamente

No povo da minha nação

Que iremos fazer frente

A quem nos dá tanta humilhação

E gritamos a uma só voz

Que não toleramos quem de nós abusa

Porque temos dentro de nós

UMA GRANDE ALMA LUSA

António D. Lima

publicado por poesiaemrede às 00:42
link do poema | comentar | favorito

(24) Como tu

Como tu

Não sou escritora, nem tão pouco sou poetiza
escrevo o que me vai na alma esperta


Os momentos que vivi, que vivo
escrevo ilusões, sufoco coracões,
escrevo sangrentos e esquecidos
escrevo sequiosos e vadios
que perdidos vagueiam, sofridos,
pela lei da guerra infindável
pelas lágrimas dos que leem...
pelos sorrisos dos que já não veem,
Sou simples...como tu...
com uma esperança afável,
enfim...,
Não sou escritora,...nem tão pouco poetiza
escrevo apenas as palavras que a caneta pisa...

Karlitta Ks

publicado por poesiaemrede às 00:37
link do poema | comentar | favorito
Segunda-feira, 5 de Março de 2012

(23) Desculpa

Desculpa

 

Desculpa, que palavra tão triste mas tão real,

Vou partir e deixar-te sem resposta nem pergunta,

talvez vá alimentar as tuas certezas ou conclusões,

fujo de ti sim, fujo de mim também e do mal que te faço.

 

Que ousadía a minha de pensar tanto no que pensas!

sei lá eu que te vai na cabeça, na minha vai muita coisa,

coisas a mais, muita sombra e neblina que me ostípa,

Entope a alma, o corpo e a mente sem freio.

 

Meu amor, ou oásis dele em mim,

queria tanto perceber porque sinto tudo isto,

aceitar que posso não te querer, assusta-me,

querer-te mal é angústia que alimenta a loucura.

 

Vou fugir de tí, escrever-te para bem da verdade

contar o que se passa expelír versos suaves

resgatar a verdade do que sinto e esperar...

desculpa, que palavra tão triste mas tão real.

 


Nuno Sabroso

publicado por poesiaemrede às 22:59
link do poema | comentar | favorito

(22) "Se eu Mandasse"

"Se eu Mandasse"


Caminha vertiginosamente o Planeta Terra
rumo aos escombros da incompreensão
tanta gente em sofrimento lastimoso,
entre confrontos de guerra após guerra
imparáveis na discórdia e na destruição
que gera entre povos, efeitos impetuosos.


Pessoas pela força arrancadas da sua origem
inocentes padecem tristes e inconformados
tantas crianças à mercê da caridade,
os senhores das guerras assim o exigem
insensatos, incompreensíveis e desatinados
nos seus instintivos poderes de autoridade.


Porém!.. se fosse eu que mandasse
dava entendimento aos senhores do poder
florestas, mares! tudo mais despoluente,
pedia ao meu Deus veemente que ordenasse
para que no Mundo se pudesse melhor viver
com paz, felicidade e amor para toda a gente.

Artur Cardoso

publicado por poesiaemrede às 22:56
link do poema | comentar | favorito
Domingo, 4 de Março de 2012

(21) Depressão ( A doença do Século XXI )

 

 Depressão ( A doença do Século XXI )  

 

Numa perturbação depressiva

Em constante nostalgia

Busco sobre leve tentativa

Alcançar a minha genealogia.

 

Arrasto no pensamento

Uma mágoa padecida,

Recordando a cada momento

Toda uma dor reprimida.

 

Como posso não chorar

Sendo a vida tão severa,

Sentindo o coração sangrar

Enquanto a alma degenera.

 

Tumultua-se todo o meu ser

O que me faz enfraquecer

E tanto me entristece…

 

Vagueio como uma nau à deriva

Ansiando agarrar-me à vida

Mas nem sempre isso acontece.

 

Alma Lusitana

 

publicado por poesiaemrede às 03:24
link do poema | comentar | favorito
Sexta-feira, 2 de Março de 2012

(20) O que se faz

O que se faz
Sem saber se é o bem
É o mesmo que se colhe
Sem saber de onde vem

Para cada acção
Há uma reacção
Acções opostas
Reacções sem respostas

Antítese sinónimo de vida?
Será verdade a evolução?
Consegues sentir a estagnação?


    Bernardo Oliveira

publicado por poesiaemrede às 01:00
link do poema | comentar | favorito
Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2012

(19) Viver para Ser

Viver para Ser

 

Incompletos somos,
Pois somos o que temos.
Animal de mudanças,
Pois queremos sempre o que não temos.

 

Orgulha-te de mudar,
Porque mudar é viver.
Deixa de morrer e completa-te!
Encontra o teu ser!

Não é preciso o perceberes,
Ele já te entendeu.
Não foi preciso ter-te,
Ele já sabe que é teu.

Não era preciso tanto,
Afinal a procura é passatempo.
O teu ser era a tua sombra,
Leve como o vento.

 Mais que traçado,
Era o teu fado.
Ele não te disse!
O teu ser mentiu-te, quis-te acabado!

Espera, não o culpes!
É verdade, contigo ele acabou.
Mas agradece-lhe.
Porque foi ele que vos completou.

 

(Júlio Magalhães 25/02/2012)

publicado por poesiaemrede às 00:55
link do poema | comentar | favorito

(18) ECO

ECO

Eco...
inaudível
aos gritos de quem geme.
Indiferente
em ironias cambiantes,
perde-se em imagens voláteis...

A quem importa o grito
se o eco o despreza ?

O crepúsculo envolve-o amargamente
e o eco acéfalo,
obstinadamente indiferente,
alcança o cume,
cego,surdo, sem limites
onde espera alcançar a redenção...

Em exaustão,
o grito, entorpece a viagem peregrina
em canticos de erosão.

Almas em rouquidão
sufocam com o fruto do silêncio.

Lita Lisboa.

publicado por poesiaemrede às 00:52
link do poema | comentar | favorito
Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2012

(17) Justiça injusta

Justiça injusta

 

 

 

 

 

 

 

Nesta segurança escondida
pelas leis de tanto desconforto,
a sociedade fica perdida
e o mundo parece mais torto.

A impunidade se remenda
a injustiça é muito feroz,
e o crime não mais tem emenda
vendo o viver tornar-se atroz.

Julguem então todos os culpados,
que paguem pelos seus negros erros
de forma justa e verdadeira.

Defendam assim os maltratados,
não façam apressar seus enterros
desta maneira assaz ligeira.

 

 

António MR Martins

publicado por poesiaemrede às 00:37
link do poema | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 26 de Fevereiro de 2012

(16) Ainda ontem era Abril!

Ainda ontem era Abril!

Ainda ontem era Abril… ainda ontem a revolução trouxe a mudança…
E hoje? Hoje vives de rotinas feitas por obrigação e não por convicção,
Arrastas-te no passar dos dias sempre iguais, sempre deprimentes,
Ouves as mesmas vozes, os mesmos gritos, a mesma desconsideração,
Finges não ouvir as ofensas que veladas ou descaradas te dirigem,
Finges não ver os olhares de soslaio cheios de má vontade e desprezo,
Finges não perceber quando te tratam como um pano de chão usado,
Finges não sofrer por dentro com as investidas que te magoam por fora…
Ainda ontem era Abril… hoje os cravos estão murchos, secos e descoloridos…
Hoje revoltaste contra as amarras da mansidão com que te agrilhoaram,
Hoje revoltaste contra os que aos poucos destruíram o teu futuro,
Hoje revoltaste contra os que empenharam o futuro dos teus filhos,
Hoje revoltaste com os que te mentiram e descaradamente te saquearam,
Hoje revoltaste com a esperança de que ouçam o teu grito de revolta…
Ainda ontem era Abril… hoje os cravos estão espezinhados no chão…
Chão que um dia foi seara loura e farta que deu fruto e se fez pão,
Chão que um dia foi árvore que deu fruto e campo que deu alimento,
Chão que um dia deu novos mundos ao mundo por descobrir,
Chão que um dia abraçou o ganha-pão que o mar depositou a seus pés,
Chão que um dia foi de luta, de sangue, de convicção, de liberdade,
Chão que hoje é apenas sombra do que foi um dia um país chamado Portugal…

 

Helena

publicado por poesiaemrede às 01:46
link do poema | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2012

(15) Os Renegados

Os Renegados

 

 

Cortaram-me os pulsos

Cerraram-me os dentes

Embargaram-me a voz

Mutilaram-me os membros

Castraram-me o sexo

Roubaram-me a cidadania

Os direitos, o prazer de viver

Nunca me foram sequer cobrados deveres...

Joguei a licenciatura pela janela fora

Nunca me serviu rigorosamente para nada

Sobrevivi  à margem da sociedade

Engrossei as listas da precaridade

Hoje, sou velho para uma oportunidade

Um homem que arrasta a sua existência

Condenado à apatia dos alienados

Inadaptado, desenquadrado

Nem estatuto de desempregado tenho

Afinal, quem é que eu sou?

Pouco mais que um indigente

Profissão: Pela Pátria, renegado!

 

Maria Fernanda Reis Esteves

Setúbal

Portugal

publicado por poesiaemrede às 02:48
link do poema | comentar | ver comentários (1) | favorito

Poemas a Concurso

Publicação Final

(45) Manifesto

(44) A miséria que ningué...

(43) POETA DO MAR ONDULA...

(42) Longos sorvos de tem...

(41) Desgraça, grande mal...

(40) A voz da sociedade

(39) O Segredo das Palavr...

(38) Nada

(37) FORCA POÉTICA

(36) Portugal

(35) Globalização fratern...

(34) 18.02, tarde.

(33) livro de reclamações

(32) NO MEU RIO IMAGINÁRI...

(31) Tubarões

(30) Abril

(29) Da lusa gente (ou fa...

(28) Doença

(27) PORTUGAL IMIGRANTE

(26) “Quando perdemos alg...

(25) ANO 2012

(24) Como tu

(23) Desculpa

(22) "Se eu Mandasse"

(21) Depressão ( A doenç...

(20) O que se faz

(19) Viver para Ser

(18) ECO

(17) Justiça injusta

(16) Ainda ontem era Abri...

(15) Os Renegados

POESIA EM REDE http://poesiaemrede.no.sapo.pt/

pesquisar poema

blogs SAPO

subscrever feeds