Quinta-feira, 22 de Março de 2012

(34) 18.02, tarde.

18.02, tarde.

 

 

Acordas de madrugada

Para ver o teu sonho partir.

Gritas, com a voz soterrada,

Que o mundo acabou de ruir.

 

Rompem, lá fora, nas ruas,

Almas que choram de dor.

Perdidas, pálidas, nuas,

Tremem com falta de amor.

 

E as palavras desertas

Chovem como facas no rosto

Enquanto consciências despertas

Querem o regime deposto.

 

Ficas escondida no escuro,

Reclamas a solidão.

Tens à tua frente o futuro,

O destino da Terra na mão.

 

 

Isabel Teles de Menezes

publicado por poesiaemrede às 01:21
link do poema | comentar | favorito
|

Poemas a Concurso

Publicação Final

(45) Manifesto

(44) A miséria que ningué...

(43) POETA DO MAR ONDULA...

(42) Longos sorvos de tem...

(41) Desgraça, grande mal...

(40) A voz da sociedade

(39) O Segredo das Palavr...

(38) Nada

(37) FORCA POÉTICA

(36) Portugal

(35) Globalização fratern...

(34) 18.02, tarde.

(33) livro de reclamações

(32) NO MEU RIO IMAGINÁRI...

(31) Tubarões

(30) Abril

(29) Da lusa gente (ou fa...

(28) Doença

(27) PORTUGAL IMIGRANTE

(26) “Quando perdemos alg...

(25) ANO 2012

(24) Como tu

(23) Desculpa

(22) "Se eu Mandasse"

(21) Depressão ( A doenç...

(20) O que se faz

(19) Viver para Ser

(18) ECO

(17) Justiça injusta

(16) Ainda ontem era Abri...

(15) Os Renegados

(14) PARA ALIMENTAR A ALM...

(13) Eau de Liberdade

(12) Mudança

(11) Sem Rumo

(10) Mentalidades

(9) Pura inocência

(8) Caos na Natureza

(7) " O Mundo "

(6) Que dizes do mundo

(5) Entre o Chão e o Céu

(4) DICOTOMIA DO QUERER E...

(3) PEDIDO EM ORAÇÃO A UM...

(2) (Des)encontros

(1) Mundo Imundo

POESIA EM REDE http://poesiaemrede.no.sapo.pt/

pesquisar poema

blogs SAPO

subscrever feeds