Segunda-feira, 5 de Março de 2012

(22) "Se eu Mandasse"

"Se eu Mandasse"


Caminha vertiginosamente o Planeta Terra
rumo aos escombros da incompreensão
tanta gente em sofrimento lastimoso,
entre confrontos de guerra após guerra
imparáveis na discórdia e na destruição
que gera entre povos, efeitos impetuosos.


Pessoas pela força arrancadas da sua origem
inocentes padecem tristes e inconformados
tantas crianças à mercê da caridade,
os senhores das guerras assim o exigem
insensatos, incompreensíveis e desatinados
nos seus instintivos poderes de autoridade.


Porém!.. se fosse eu que mandasse
dava entendimento aos senhores do poder
florestas, mares! tudo mais despoluente,
pedia ao meu Deus veemente que ordenasse
para que no Mundo se pudesse melhor viver
com paz, felicidade e amor para toda a gente.

Artur Cardoso

publicado por poesiaemrede às 22:56
link do poema | comentar | favorito
|

Poemas a Concurso

Publicação Final

(45) Manifesto

(44) A miséria que ningué...

(43) POETA DO MAR ONDULA...

(42) Longos sorvos de tem...

(41) Desgraça, grande mal...

(40) A voz da sociedade

(39) O Segredo das Palavr...

(38) Nada

(37) FORCA POÉTICA

(36) Portugal

(35) Globalização fratern...

(34) 18.02, tarde.

(33) livro de reclamações

(32) NO MEU RIO IMAGINÁRI...

(31) Tubarões

(30) Abril

(29) Da lusa gente (ou fa...

(28) Doença

(27) PORTUGAL IMIGRANTE

(26) “Quando perdemos alg...

(25) ANO 2012

(24) Como tu

(23) Desculpa

(22) "Se eu Mandasse"

(21) Depressão ( A doenç...

(20) O que se faz

(19) Viver para Ser

(18) ECO

(17) Justiça injusta

(16) Ainda ontem era Abri...

(15) Os Renegados

(14) PARA ALIMENTAR A ALM...

(13) Eau de Liberdade

(12) Mudança

(11) Sem Rumo

(10) Mentalidades

(9) Pura inocência

(8) Caos na Natureza

(7) " O Mundo "

(6) Que dizes do mundo

(5) Entre o Chão e o Céu

(4) DICOTOMIA DO QUERER E...

(3) PEDIDO EM ORAÇÃO A UM...

(2) (Des)encontros

(1) Mundo Imundo

POESIA EM REDE http://poesiaemrede.no.sapo.pt/

pesquisar poema

blogs SAPO

subscrever feeds