Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2012

(17) Justiça injusta

Justiça injusta

 

 

 

 

 

 

 

Nesta segurança escondida
pelas leis de tanto desconforto,
a sociedade fica perdida
e o mundo parece mais torto.

A impunidade se remenda
a injustiça é muito feroz,
e o crime não mais tem emenda
vendo o viver tornar-se atroz.

Julguem então todos os culpados,
que paguem pelos seus negros erros
de forma justa e verdadeira.

Defendam assim os maltratados,
não façam apressar seus enterros
desta maneira assaz ligeira.

 

 

António MR Martins

publicado por poesiaemrede às 00:37
link do poema | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Nanda a 4 de Março de 2012 às 19:57
António,
E como é garnde a nossa sede de justiça.
Um bom poema.
Beijo
Nanda

Comentar poema

Poemas a Concurso

Publicação Final

(45) Manifesto

(44) A miséria que ningué...

(43) POETA DO MAR ONDULA...

(42) Longos sorvos de tem...

(41) Desgraça, grande mal...

(40) A voz da sociedade

(39) O Segredo das Palavr...

(38) Nada

(37) FORCA POÉTICA

(36) Portugal

(35) Globalização fratern...

(34) 18.02, tarde.

(33) livro de reclamações

(32) NO MEU RIO IMAGINÁRI...

(31) Tubarões

(30) Abril

(29) Da lusa gente (ou fa...

(28) Doença

(27) PORTUGAL IMIGRANTE

(26) “Quando perdemos alg...

(25) ANO 2012

(24) Como tu

(23) Desculpa

(22) "Se eu Mandasse"

(21) Depressão ( A doenç...

(20) O que se faz

(19) Viver para Ser

(18) ECO

(17) Justiça injusta

(16) Ainda ontem era Abri...

(15) Os Renegados

(14) PARA ALIMENTAR A ALM...

(13) Eau de Liberdade

(12) Mudança

(11) Sem Rumo

(10) Mentalidades

(9) Pura inocência

(8) Caos na Natureza

(7) " O Mundo "

(6) Que dizes do mundo

(5) Entre o Chão e o Céu

(4) DICOTOMIA DO QUERER E...

(3) PEDIDO EM ORAÇÃO A UM...

(2) (Des)encontros

(1) Mundo Imundo

POESIA EM REDE http://poesiaemrede.no.sapo.pt/

pesquisar poema

blogs SAPO

subscrever feeds