Quarta-feira, 15 de Fevereiro de 2012

(14) PARA ALIMENTAR A ALMA

PARA ALIMENTAR A ALMA

Saia para rua e abra bem os olhos
para poder ver até onde o sol
encontra a linha do horizonte.

Aproveite, assim, todas as maravilhas
que ficaram espalhadas pelo caminho.

Depois feche os olhos
para poder sentir os perfumes
misturados do mel, das flores e da relva molhada.

Não se assuste com a brisa
que arrepia o braço.

Pelo contrário, permita à alma
todo o prazer de colher na fonte
o sussurro de Deus, chamando para casa
os seus últimos anjos e fadas,
que ainda haviam ficado pelos quintais,
espalhando os sinais da vida eterna.

Encha de energia a cabeça.
Deixe as veias empurrarem o peito ladeira acima.

O grito arrebenta a nuvem,
que retribui sob a forma de orvalho.

 

 

Nelson de Paula

publicado por poesiaemrede às 23:32
link do poema | comentar | favorito
|

Poemas a Concurso

Publicação Final

(45) Manifesto

(44) A miséria que ningué...

(43) POETA DO MAR ONDULA...

(42) Longos sorvos de tem...

(41) Desgraça, grande mal...

(40) A voz da sociedade

(39) O Segredo das Palavr...

(38) Nada

(37) FORCA POÉTICA

(36) Portugal

(35) Globalização fratern...

(34) 18.02, tarde.

(33) livro de reclamações

(32) NO MEU RIO IMAGINÁRI...

(31) Tubarões

(30) Abril

(29) Da lusa gente (ou fa...

(28) Doença

(27) PORTUGAL IMIGRANTE

(26) “Quando perdemos alg...

(25) ANO 2012

(24) Como tu

(23) Desculpa

(22) "Se eu Mandasse"

(21) Depressão ( A doenç...

(20) O que se faz

(19) Viver para Ser

(18) ECO

(17) Justiça injusta

(16) Ainda ontem era Abri...

(15) Os Renegados

(14) PARA ALIMENTAR A ALM...

(13) Eau de Liberdade

(12) Mudança

(11) Sem Rumo

(10) Mentalidades

(9) Pura inocência

(8) Caos na Natureza

(7) " O Mundo "

(6) Que dizes do mundo

(5) Entre o Chão e o Céu

(4) DICOTOMIA DO QUERER E...

(3) PEDIDO EM ORAÇÃO A UM...

(2) (Des)encontros

(1) Mundo Imundo

POESIA EM REDE http://poesiaemrede.no.sapo.pt/

pesquisar poema

blogs SAPO

subscrever feeds