Sábado, 31 de Março de 2012

(40) A voz da sociedade

A voz da sociedade

 

A sociedade existe abafada,

A sociedade permanece calada.

Nada se consegue fazer ouvir,

Nada se faz para o bem surgir.

 

Vemos seres despejados nas ruas,

Vemos na multidão um olhar de amarguras,

Amarguras de um poder mal usado,

Amarguras de um país castigado.

 

Perante esta imunda desordem,

Temos de dar as mãos aos que colhem,

Aos jovens que colhem justiça,

Aos desempregados que colhem oportunidades,

A todos nós que abafaremos quaisquer maldades.

 

Lutemos para que a nossa voz não se cale,

Lutemos para que sobre direitos a nossa voz fale.

A voz da multidão não se pode abafar,

Pois um melhor Portugal todos vão aclamar!

 

 

 

Susana Ferreira

publicado por poesiaemrede às 02:45
link do poema | comentar | favorito
|

Poemas a Concurso

Publicação Final

(45) Manifesto

(44) A miséria que ningué...

(43) POETA DO MAR ONDULA...

(42) Longos sorvos de tem...

(41) Desgraça, grande mal...

(40) A voz da sociedade

(39) O Segredo das Palavr...

(38) Nada

(37) FORCA POÉTICA

(36) Portugal

(35) Globalização fratern...

(34) 18.02, tarde.

(33) livro de reclamações

(32) NO MEU RIO IMAGINÁRI...

(31) Tubarões

(30) Abril

(29) Da lusa gente (ou fa...

(28) Doença

(27) PORTUGAL IMIGRANTE

(26) “Quando perdemos alg...

(25) ANO 2012

(24) Como tu

(23) Desculpa

(22) "Se eu Mandasse"

(21) Depressão ( A doenç...

(20) O que se faz

(19) Viver para Ser

(18) ECO

(17) Justiça injusta

(16) Ainda ontem era Abri...

(15) Os Renegados

(14) PARA ALIMENTAR A ALM...

(13) Eau de Liberdade

(12) Mudança

(11) Sem Rumo

(10) Mentalidades

(9) Pura inocência

(8) Caos na Natureza

(7) " O Mundo "

(6) Que dizes do mundo

(5) Entre o Chão e o Céu

(4) DICOTOMIA DO QUERER E...

(3) PEDIDO EM ORAÇÃO A UM...

(2) (Des)encontros

(1) Mundo Imundo

POESIA EM REDE http://poesiaemrede.no.sapo.pt/

pesquisar poema

blogs SAPO

subscrever feeds