Domingo, 25 de Dezembro de 2011

(1) Mundo Imundo

Mundo Imundo

Chamam-lhe de crime.
Outra calamidade, noutro adversário.
Seta caprichosa na mente, é lançada
E apenas volve no contrário.
Que isso é assim, é.
Um crime.

Mas que gente, mas que lamento,
De tochas tresandam ensopadas,
Que nem por um mísero de tempo,
Lhe acendem as brasas:
- Nem pensar!

Onde nasce o amor?
Onde se sente as escassas
Formas, sejam em quem for,
De viver a paz
Que este portador traz?

Um elemento vicário
À mercê da troca das bombas;
Para no interior arvorar
A candura.
Eis a metamorfose!
Jaulas abertas escapando pombas
Alvas de verdura!

Estou colérico neste crime.
Bramo e não percebo
A imoralidade deste mundo imundo.


Marco Nunes

publicado por poesiaemrede às 05:05
link do poema | comentar | favorito
|

Poemas a Concurso

Publicação Final

(45) Manifesto

(44) A miséria que ningué...

(43) POETA DO MAR ONDULA...

(42) Longos sorvos de tem...

(41) Desgraça, grande mal...

(40) A voz da sociedade

(39) O Segredo das Palavr...

(38) Nada

(37) FORCA POÉTICA

(36) Portugal

(35) Globalização fratern...

(34) 18.02, tarde.

(33) livro de reclamações

(32) NO MEU RIO IMAGINÁRI...

(31) Tubarões

(30) Abril

(29) Da lusa gente (ou fa...

(28) Doença

(27) PORTUGAL IMIGRANTE

(26) “Quando perdemos alg...

(25) ANO 2012

(24) Como tu

(23) Desculpa

(22) "Se eu Mandasse"

(21) Depressão ( A doenç...

(20) O que se faz

(19) Viver para Ser

(18) ECO

(17) Justiça injusta

(16) Ainda ontem era Abri...

(15) Os Renegados

(14) PARA ALIMENTAR A ALM...

(13) Eau de Liberdade

(12) Mudança

(11) Sem Rumo

(10) Mentalidades

(9) Pura inocência

(8) Caos na Natureza

(7) " O Mundo "

(6) Que dizes do mundo

(5) Entre o Chão e o Céu

(4) DICOTOMIA DO QUERER E...

(3) PEDIDO EM ORAÇÃO A UM...

(2) (Des)encontros

(1) Mundo Imundo

POESIA EM REDE http://poesiaemrede.no.sapo.pt/

pesquisar poema

blogs SAPO

subscrever feeds